fbpx

Em decisão inédita, o TJ SP concedeu, a uma farmácia magistral situada em São José dos Campos, o direito operar com medicamentos à base de cannabis sativa, O tribunal impede assim a vigilância sanitária de lavrar autos de infração, multas ou outras punições, por ocasião da dispensação e manipulação de produtos com ativos derivados vegetais ou fitofármacos da Cannabis Sativa.

A prática está vedada pela Resolução RDC nº 327/2019 da ANVISA.

O Tribunal entendeu que a ANVISA violou o livre exercício de atividade econômica da farmácia, dizendo:“A referida Resolução, portanto, acabou por criar entre as farmácias com manipulação e as farmácias sem manipulação distinção não amparada em lei, e, assim, extrapolou sua função meramente regulamentar ao inovar e limitar o livre exercício das atividades econômicas da impetrante, o que não se admite”

A Dra. Claudia Mano, advogada e CEO da DLM CONSULT teve acesso à decisão de 30/03/2021 e comentou “Este julgamento abre caminho para que outras farmácias solicitem o mesmo direito, o que é salutar tanto para garantir atividade econômica, quanto também para facilitar o acesso do paciente a tratamentos manipulados de cannabis.”

Na manipulação, além de operar com toda segurança sanitária, a farmácia pode viabilizar ajustes terapêuticos de dosagem, por exemplo, o que aumenta a personalização do tratamento, melhorando a adesão do paciente, e a eficácia dos produtos à base de CBD (canabidiol), THC (tetrahidrocanabidiol), dentre outros.

Da decisão ainda cabe recurso ao STF, STJ, tribunais superiores em Brasília.
Processo nº 1013079-49.2020.8.

#cannabis #cannabismedicinal #TJSPcannabis #MedicamentosCannabis #RDC327 #ativoscannabis #fitofarmacoscannabis #CannabisSativa #DLMCONSULT #DLM #JUSTIÇA #COMPLIANCE #solucoesjuridicas #segurança #assessoria #consultoria #regulatoriossanitarios #atualizacoesregulatorias #mtc #ANVISA